Problemas de sono em crianças são recentes?


As pessoas me perguntam: problemas de sono em crianças são recentes? Por que minha mãe sempre diz que essas coisas não existiam na época dela?

A resposta para sua mãe é que provavelmente ela esqueceu essa fase tão difícil da vida que é ter um (ou mais) bebê(s) em casa. Rs.

De fato, o sono infantil passa por uma queda em sua qualidade e quantidade, assim como o sono adulto... nunca dormimos tão pouco e tão mal.

Isso passa principalmente pelo âmbito da evolução (?) cultural e social, e alguns hábitos atuais contribuem e muito para que isso aconteça:


O excesso de luminosidade: nunca fomos tão expostos à luz como agora. Luzes de LED interferem diretamente na produção do nosso hormônio do sono, que nos ajuda a dormir e a manter o sono. Tudo que usamos tem luz de LED...

Um bom começo é trocar as lâmpadas de casa por halógenas amarelas, evitar a exposição a telas ao menos 2 horas antes de dormir – crianças precisam de mais tempo longe dos aparelhos eletrônicos – e diminuir a luz de casa para penumbra uma hora antes de dormir.


O excesso de estímulos: crianças são bombardeadas diariamente com uma oferta de estímulos que não são capazes de absorver, e por isso chamamos isso de excesso. Crianças estão sendo entretidas o tempo todo sem necessidade alguma. Crianças perderam a capacidade de aprender a contemplação porque nós adultos não “temos” mais tempo e não paramos mais para ensina-las a olhar o céu, ou observar uma planta nascendo e crescendo... estamos afastando as crianças dos processos e levando-as direto aos fins. E isso impacta diretamente na construção do paradigma delas em relação ao mundo.

Não é à toa que a Sociedade Americana de Pediatria proíbe a exposição de menores de 2 anos a qualquer tipo de tecnologia...


O excesso de assistência: quando as famílias eram maiores, não se tinha tanto tempo a se dedicar à apenas um dos filhos...era necessária uma adaptação da família como um todo para a chegada de um novo membro. Irmãos mais velhos estavam absolutamente inseridos na dinâmica de cuidados dos mais novos... em outras palavras: antigamente crianças aprendiam a “se virar” melhor e mais cedo que as atuais principalmente devido ao excesso de atendimento de hoje em dia... não deixamos mais nossos filhos lidarem com mínimas frustrações. Por isso que eles crescem querendo tudo para agora ou nunca.


O excesso de pressa: os pais estabeleceram uma competição: quanto antes, melhor.

– Meu filho andou com 1 ano!;

- Ah, mas o meu andou com 10 meses...

Aos 2 anos já sabem manusear tablets e telefones, mas não sabem nem ao menos se equilibrar quando seu corpo muda o eixo...


Fora isso, crianças estão cada vez mais afastadas do “sentir”... o que naturalmente as “ensina” a dormir: ter o máximo de experiências sensoriais em seu primeiro setênio de vida, para que os sentidos e seu desenvolvimento cognitivo aconteça de maneira plena. O afastamento da natureza nos faz deixá-los cada vez mais dentro da caixa, cada vez mais dependentes de entretenimento, de super atendimento, de super estímulos...


Estamos fazendo isso errado.

A absorção do mundo pela criança pequena é através do sentir. Eles não aprendem o mundo; eles o apreendem.