Mamãe dorme, neném dorme.

Atualizado: 2 de out. de 2020

Sempre me surpreendo com o grau de conexão entre mãe e filho. Esse vínculo - que se inicia no útero e permanece ao longo da vida- é como um grande cordão umbilical: com o tempo, vai se desenrolando e afastando os filhos de suas mães, porém ainda os mantendo ligados a elas.


No caso de mães e bebês, a conexão se dá primeiramente pela natureza, com suas programações incríveis para a evolução da vida. Mães acordam em qualquer estágio de seu sono, quando seu bebê chora. Aquela frequência sonora é gravada em seu cérebro e ela factualmente acordará, se a ouvir. Mães acordam ANTES que seu bebê, pois seus ciclos de sono sofrem uma alteração para sincronizar-se com os dele, além dos hormônios que favorecem seu despertar para o atendimento imediato de seu filhote.


Mas para além destes mecanismos biológicos de perpetuação da espécie, existe uma relação – especialmente no primeiro setênio de vida da criança – que muitos ignoram dentro do universo do desenvolvimento infantil. É uma espécie de simbiose emocional: o filho se alimenta das emoções de sua mãe -– e as reflete de volta. Quem nunca sentiu isso na pele quando chegou exausta para fazer uma criança dormir, e a criança então “propositalmente” levou o dobro do tempo habitual para adormecer?


Levar em consideração este entendimento dentro do sono faz total diferença. Não existe sono infantil antes dos 7 anos. O sono é materno-infantil. Eles estão ligados, vinculados e simbioticamente conectados.


Existem aquelas mães que já dormem com medo do bebê acordar, o que com toda certeza contribui para que ele de fato acorde! O desprendimento da mãe com relação ao sono de seu filho é uma das chaves para alcançar noites tranquilas. Por isso, o uso de babá eletrônica à noite costuma ser um grande fator de ansiedade, além de prejudicar a qualidade do sono da mãe, pois o aparelho emite luzes estimulantes. Deitar e dormir – certa que irá acordar caso o bebê chore – recupera a mãe de seu cansaço extremo e evita o aumento das taxas de cortisol no sangue materno – que contribui para muitos desdobramentos indesejáveis como depressão pós-parto, aumento de peso, stress, etc.


Nada muda em mim o sentimento de que quando uma mãe relaxa, assim seu filho também o faz. Desconectar-se, um pouco que seja, facilita a entrega para o sono - de todos. Após colocar seu bebê para dormir, faça algo exclusivamente para você. Relaxe e esqueça-o, por um período. Cuide de você! É em ti que mora toda a fonte de vida do seu filho.


Abasteça-se!