A TV e o sono das crianças

Retirado do livro “Soluções para noites sem choro para crianças de 1 a 6 anos”

de Elizabeth Pantley



Televisão no quarto


Quaisquer que sejam os hábitos de seu filho na hora de dormir, as evidências sugerem fortemente que a pior coisa que se pode ter no quarto de uma criança é um aparelho de televisão (em segundo lugar vêm os computadores). Assistir à TV pode ser estimulante para muitas crianças, impedindo-as de adormecer. Existem muitas outras razões para banir o aparelho do quarto do seu filho:


• Programas violentos podem criar temores e pesadelos.

• Uma criança com acesso privado a um televisor pode assistir programas impróprios sem o seu conhecimento.

• Uma criança pode desenvolver o hábito de assistir à TV na cama e ter muita dificuldade para dormir sem isso.

• Uma criança que assiste à TV antes de dormir pode ficar acordada até muito tempo depois de um horário saudável para dormir.

• Ter um televisor no quarto aumenta o sedentarismo, o que pode levar à obesidade, ansiedade e depressão.

• Assistir à TV na cama substitui uma atividade muito importante antes de dormir: a leitura.

Gorduchinhos Fascinados por TV (pág. 105/106)


O pré-escolar norte-americano ou canadense médio assiste até cinco horas de televisão por dia – até trinta horas por semana – isso é quase um emprego em tempo integral! Estudos concluem que crianças que têm aparelhos de televisão em seus quartos assistem mais TV e têm mais problemas relacionados à saúde e à forma física, entre seus companheiros etários.


O principal problema ligado ao sono por assistir tanta TV é que ela tira da criança o tempo para praticar atividades físicas necessárias durante o dia, para terem uma boa noite de sono. No caso de um aparelho de televisão no quarto, isso com frequência, atrasa muito o horário de dormir e pode até mesmo criar um hábito nada saudável de assistir TV enquanto o sono chega.


A Sociedade Canadense de Pediatria sugere que pais limitem o tempo de seus filhos pré-escolares na frente da televisão a apenas uma hora por dia. A Academia Norte-americana de Pediatria recomenda que crianças com menos de dois anos de idade simplesmente não assistam televisão. Alguns pais veem isso como exagero, mas certamente é o melhor para nossos pequenos, em termos de saúde geral, desenvolvimento e, também, de um sono melhor.

Para simplificar, aqui estão as melhores dicas para pais de bebês e pré-escolares:


• Escolha os programas com muita cautela.

• Limite o tempo para assistir à TV em uma hora ou menos por dia. • Não coloque um aparelho de televisão no quarto de seu filho.

Evite assistir à TV antes de ir para a cama (pág. 128)


Um estudo recente demonstrou que crianças que assistem à televisão antes de dormir têm mais dificuldade para adormecerem, um sono menos repousante e menos horas de sono no total, dormindo tipicamente bem menos que o recomendado. Aquelas com aparelhos em seus quartos tinham mais problemas de sono, e crianças que adormeciam enquanto assistiam à TV tinham mais distúrbios de sono, no grupo estudado. À noite, também tinham mais temores noturnos, já que até mesmo imagens fugazes de conteúdo violento podem permanecer em suas mentes.


Outro relato demonstrou que crianças pequenas que tinham por hábito adormecer na frente da TV tendiam a reter o hábito e ter problemas relacionados ao sono, enquanto cresciam. Além de tudo isso, a sonolência relacionada à TV tinha um efeito negativo sobre elas mesmo enquanto estavam despertas.


Assim, deixar que uma criança adormeça na frente da TV como uma fuga temporária das batalhas na hora de dormir cria demasiados problemas para sequer ser considerado como uma solução. À luz de todas essas razões, seria sensato evitar que seu pequeno assista à TV à noite, em favor de outras atividades noturnas mais enriquecedoras e promotoras do sono, como brincar com brinquedos, sair para uma caminhada ou ler.


Parecer da Sociedade Brasileira de Pediatria (março de 2011)


Considerações sobre o uso de televisão por crianças menores de 3 anos

Em resposta à solicitação recebida da Câmara técnica de Pediatria do Cremesp, o Departamento Científico de Saúde Mental da SPSP, após análise da literatura, teceu algumas considerações sobre o uso de televisão por crianças menores de três anos que são as seguintes:


1) TV e criança de 0 – 3 anos, genericamente:

De modo geral, crianças nesta faixa etária não deveriam assistir a programas de televisão.

Baseamos esta recomendação em dados da literatura científica. A Academia Americana de Pediatria recomenda que:


“Crianças menores de dois anos não devem assistir televisão”.


Em um estudo norte americano com 2068 crianças de 4 a 35 meses publicado no Pediatrics em 2004, verificou-se que bebês com menos de 12 meses ficavam 0.9 horas por dia em frente à televisão, de 12 a 23 meses ficavam 1,3 horas e de 23 a 35 meses 2 horas diárias, ou seja, em 70% dos lares, as crianças menores de três anos costumavam assistir de 1 a 2 horas de tv por dia. Neste mesmo estudo, através das respostas dos pais, a maioria deles acreditava que a tv e especialmente os vídeos educativos poderiam auxiliar no desenvolvimento das crianças, nestas faixas etárias.


Segundo o autor, dr. Dimitri Christakis, do Centro Médico Regional de Seattle e da Universidade de Washington:


“Existem milhares de motivos para que as crianças não assistam TV nesta faixa etária”.

O hábito de ver TV está associado a maior incidência de obesidade na infância, pela menor atividade dos pequenos e pelo estímulo das propagandas para se consumir guloseimas.

Provoca também maior agressividade infantil, pois a criança costuma imitar os comportamentos observados nos programas. Podem ainda levar em longo prazo a déficit de atenção na fase pré-escolar devido à passividade e nenhuma interação criativa com os programas.


Outros problemas apontados foram dificuldades de concentração, impulsividade, impaciência, confusão mental, distúrbios do sono e dependência da TV.


Este tema sempre foi objeto de muita polêmica, porem, sabemos que o contato desde muito cedo com os pais ou cuidadores, como preconizavam Freud e Winnicott, é o que realmente fará diferença no desenvolvimento global de uma criança.


O bebê humano vai aprendendo e se desenvolvendo a partir dos repetitivos atos diários dos cuidadores, do toque, do carinho, da fala da mãe ou de quem a atende o tempo todo.


Através do vínculo que se estabelece com os adultos vai adquirindo a linguagem e a significação das palavras e seus conteúdos. O contato com outras crianças também é sempre muito positivo.


A passividade frente à TV prejudica o desenvolvimento da aquisição dessa compreensão podendo até mesmo retardar a aquisição da fala. Falta aí a intervenção de um outro indivíduo.

O colorido das imagens e a movimentação rápida também exercem atração sobre as crianças. Ao se aproximarem muito das telas, podem ficar sujeitas a um prejuízo da visão em desenvolvimento ou ainda ao aparecimento de quadros de agitação e hiperexcitação, chegando a alguns casos de convulsões, como veiculado na imprensa japonesa. Portanto, o cérebro e a personalidade em desenvolvimento precisam de um ritmo moderado e adequado para um bom desenvolvimento neuropsíquico e motor nesta fase.


Na França, por exemplo, existe uma decisão, desde 01/11/08, do Conselho Superior de Áudio Visual (CSA) que determina que as redes de TV não podem editar, difundir ou promover programas destinados especificamente para crianças menores de três anos, valendo também para outras mídias e jogos eletrônicos.


Foi criada uma frase de alerta à população que diz:

“Ver televisão pode frear o desenvolvimento de crianças menores de três anos, mesmo que os programas sejam dirigidos especificamente a elas.”


http://biblioteca.alana.org.br/banco_arquivos/arquivos/docs/acoes/baby_tv/Soci edade.pdf


"“AS CRIANÇAS PASSAM TEMPO DEMAIS EXPOSTAS À MÍDIA NAS TELAS”

29% dos bebês com menos de um ano de idade assistem a vídeos e TV por cerca de 90 minutos por dia. Vinte e três por cento tem uma televisão em seu quarto.


O tempo gasto na frente de telas aumenta rapidamente nos primeiros anos. Entre o primeiro e o segundo aniversário, 64% dos bebês e crianças pequenas assistem a vídeos e TV por mais de duas horas por dia. Trinta e seis por cento tem uma televisão em seu quarto.


Os dados variam com relação ao tempo que as crianças em idade pré-escolar passam na frente de telas, mas até mesmo os resultados mais conservadores mostram que entre a idade de dois e cinco anos, a média é de 2.2 horas por dia.


Outros estudos mostram que essas crianças chegam a passar até 4.16 e 4.67 horas por dia expostas às telas. O tempo de exposição a telas pode ser um formador de hábitos: quanto mais tempo a criança passa na frente de telas, mais difícil se torna desligá-las conforme elas crescem."


http://files.alana.org.br/iframe/img/semana-sem-tela-fatos.pdf


Tirinha do Maurício de Souza que ilustra bem o efeito da TV em bebês e crianças pequenas. História retirada do Gibi Cebolinha n. 08, da Ed. Panini, agosto de 2007.